Defesa de Tese de Doutorado de César Augusto Paro

Na próxima sexta-feira (30/07) às 09 horas por meio remoto, haverá a Defesa de Tese de Doutorado do integrante do LIDHS César Augusto Paro.


A transmissão ao vivo ocorrerá em: https://youtu.be/08WjrVEZ8x4



RESUMO

PARO, César Augusto. Tecnologia social para educação em saúde no contexto zika: análise de uma ação de extensão. Tese (Doutorado em Saúde Coletiva) – Instituto de Estudos em Saúde Coletiva, Universidade Federal do Rio de Janeiro, Rio de Janeiro, 2021.


A partir da crítica às práticas majoritariamente centradas no tradicional modelo campanhista de saúde pública, integrantes do Laboratório Interdisciplinar de Direitos Humanos e Saúde da Universidade Federal do Rio de Janeiro desenvolveram, de 2016 a 2019, projeto de extensão que visava fortalecer ações de promoção da saúde e prevenção ao vírus zika junto a profissionais da atenção primária à saúde do Complexo do Alemão, Rio de Janeiro/RJ, Brasil, referenciadas pela educação popular e quadro da vulnerabilidade e dos direitos humanos. As propostas de educação em saúde que se pretendem ser inovadoras e participativas, a despeito dos investimentos acadêmicos e das políticas públicas, parecem não alcançar porosidade no cotidiano das práticas pedagógicas dos serviços de saúde. Assim, o desenho metodológico desse referido projeto pretendeu constituí-lo como uma tecnologia social. Ao buscar alinhar uma proposta pedagógica crítico-problematizadora aos pressupostos e às dimensões e características das tecnologias sociais, indagou-se nesta investigação sobre as possibilidades e limites de padronização e reaplicação de uma ação pedagógica nesta perspectiva. Partindo dessa experiência extensionista, esta tese de doutorado buscou compreender como a educação popular em saúde pode ser concebida como tecnologia social. Procedeu-se com um estudo de natureza qualitativa exploratória do tipo documental, tomando os marcos teórico-metodológicos da educação popular e tecnologia social como base. O material empírico da pesquisa consistiu na análise documental dos relatórios do projeto de extensão, que incluiu tanto o registro dos extensionistas em campo, quanto as diversas produções dos profissionais de saúde que participaram das oficinas, tais como mapas falantes, narrativas e projetos de intervenção. Os dados foram analisados a partir de uma interpretação compreensiva, respaldado na hermenêutica. As congruências de valores, a reciprocidade epistemológica e as orientações práxicas da tecnologia social e da educação popular em saúde demonstraram, tanto no nível teórico-conceitual, quanto no prático, que a ideia de uma metodologia de educação em saúde reaplicável a partir da pedagogia crítica pode ser frutífera. No entanto, pensá-la para uma emergência sanitária reservou desafios particulares, que se figuraram como situações-limite para as suas aspirações transformadoras. Na dimensão técnica, identificou-se que a proposta metodológica permitiu os sujeitos envolvidos investigarem as emergências do território que configuravam como situações-limite para o enfrentamento da emergência de saúde pública. A análise multidimensional de vulnerabilidades e a educação popular em saúde permitiram identificar os múltiplos pontos do território vulneráveis à proliferação de mosquitos e que não dependem apenas da vontade ou do comportamento dos seus moradores, ou seja, que são condicionados a contextos sociais e político-programáticos. Na dimensão arte, identificou-se a impossibilidade de tecnologização de aspectos que se relacionam a prática de ação-reflexão do educador. Dado que o padrão técnico da metodologia não é transformador per se, destaca-se a importância do agenciamento necessário para que a sua potencialidade transformadora seja explorada ao máximo naquele contexto diante das situações-limite ali existentes, para os quais a imprevisibilidade da “vida como ela é” sempre vai exigir uma atitude de reposicionamento e re-projeção deste padrão. Ademais, viver a tensa relação entre o respeito aos saberes locais e o desafio de superação de alguns destes saberes requer assumir as temporalidades de cada sujeito no processo coletivo de conscientização.

Palavras-chave: Educação em Saúde. Prevenção de Doenças. Tecnologia Social. Participação Cidadã em Ciência e Tecnologia. Vírus Zika.


181 visualizações0 comentário